quarta-feira, 23 de julho de 2014

A Maior Brincadeira Universitária de Todos os Tempos


Às 6 da manhã do domingo 8 de junho de 1958, um jardineiro da prestigiosa universidade de Cambridge, ficou surpreso ao ver um estranho espetáculo. No elegante telhado da biblioteca Seely, a 26 metros de altura, se encontrava estacionado um velho automóvel Austin Seven como se tivesse caído do céu.

Ninguém conseguia acreditar que naquele telhado inacessível, se encontrava um misterioso veículo de cor preta. Mas como pôde chegar até lá?.

Uma multidão de curiosos se reuniu para ver o carro e como as autoridades trataram e falharam muitas vezes, na construção de um guindaste para poder baixar o veículo. Policiais, bombeiros e unidades de defesa civil, lutaram durante quase uma semana para poder baixar o velho Austin. As autoridades não duvidaram em nenhum momento de que tudo havia sido produto de uma brincadeira estudantil, apesar de muito, mas muito engenhosa. O espetáculo foi notícia em todo o mundo.

Como é possível que um monte de profissionais que demoraram uma semana para conseguir baixar o veículo quase despedaçado e este, tenha aparecido completamente intacto da noite para o dia no alto da biblioteca Seely? Esse foi um grande dilema que rondou as cabeças de meio mundo.

Um mistério que desconcertou durante muito tempo historiadores e universitários. Provavelmente foi a piada estudantil mais engenhosa de todos os tempos e também a mais misteriosa sendo preciso que passasse cinquenta anos para encontrar uma explicação.

Em um jantar de aniversário do grupo de estudantes de engenharia, os autores se reuniram para revelar suas identidades e explicar como o Austin Seven havia sido içado ao alto da universidade de Cambridge. O cabeça da operação, Peter Davey revelou que havia criado o plano durante sua permanência nas habitações da zona Gonville and Caius com vistas ao telhado.

Peter e 11 estudantes formaram a equipe da grande piada universitária. Divididos em vários grupos, o primeiro deslocou o Austin Seven por Cambridge até o estacionamento próximo à biblioteca Seely, alegando aos inoportunos que encontravam em seu caminho, que o veículo ia ser utilizado para colar cartazes de publicidade de notícias universitárias.

Peter Davey, que agora tem 78 anos, escolheu a semana final de maio quando a atividade de transeuntes era quase nula, uma semana perfeita para realizar todo tipo de trapaças com toda tranquilidade. De modo que durante a aquela semana, o segundo grupo se dedicou a montar um rudimentário guindaste construído a partir de andaimes, postes e cabos de aço sobre o inclinado teto da biblioteca.

Um terceiro grupo passou uma tábua que ajudou à elevação, através de uma brecha situada entre o teto e uma pequena torre da janela Caius, conhecida como o Salto do Senado, com equipamento de transporte, três tipos de cordas, ganchos e polias.

Os vigilantes, que posteriormente reconheceram ter escutado um misterioso alvoroço acima deles, foram distraídos por três motoristas bêbados que faziam zigue-zagues de maneira imprudente pela zona do campus. Mas foram os esforços de duas belas estudantes que apresentaram o maior talento ao tratarem de assegurarem a conclusão da brincadeira. Haviam sido enviadas com suas curtas saias pelo engenhoso Davey, para distrair a todos os transeuntes sem exceção...A barra estava limpa.

No entanto, a brincadeira esteve a ponto de fracassar, durante o içamento.
Eles haviam esquecido de instalar uma corda que mantivesse estabilizado o veículo, devido a isso, o Austin Seven se deslocou ligeiramente atingindo uma parte do telhado e em várias zonas do teto. Quase esteve a ponto de fracassar e virar uma tragédia, ou pelo menos em um desastre.

Uma vez içado, temerosos de serem descobertos, a equipe de guindagem se apressou em empurrar o veículo até o centro do telhado. Rapidamente desmontaram toda o equipamento e fugiram através de pontes de tábuas previamente colocadas e que levou eles à uma das habitações da zona Gonville. Daí, pernas para que te quero.

Na manhã de domingo, dia 8 de junho ante o assombro de todos, começou a se solidificar a mais engenhosa e misteriosa piada estudantil de todos os tempos.
O então decano Hugh Montefiore teve a todo momento, uma ligeira ideia de quem eram os responsáveis e enviou uma felicitação junto de uma caixa de champanhe aos garotos da zona Gonville and Caius, embora em público manteve sempre que não sabia nada dos culpados...A misteriosa lenda do Austin Seven preto da Universidade de Cambridge durou 50 longos anos.

Algumas outras brincadeiras surgiram décadas mais tarde. Em 2002, um vaso sanitário foi colocado por um estudante em uma das torres, permanecendo várias semanas ali, resgatado finalmente por profissionais que escalaram o edifício.
E como última tentativa, no final de novembro de 2009 toucas de papai noel foram colocadas em cada uma das torres da capela de Kings College, novamente a escola teve que recorrer aos caros profissionais de escalada.

Os piadistas reunidos disseram que seu único pesar era que o Austin Seven não foi deixado para sempre naquele local...Como símbolo estudantil.
Muitos dos responsáveis pelo grupo passaram a desfrutar de carreiras distintas e empregos de prestígio, porque na verdade, como comentou o Sr. Peter Davey, doutorado Honoris Causa e experiente em automação e robótica: "Tudo foi uma louca e desafiante piada estudantil".

Fonte Fonte Fonte Fonte