segunda-feira, 14 de julho de 2014

Os Moinhos de Vento de Nashtifan

A energia eólica tem sido usada desde a antiguidade. Grandes oceanos foram cruzados para explorar terras desconhecidas, graças a utilização de velas usando a força do vento. O vento levou a construção de máquinas de moagem de grãos para produzir farinha, e água era bombeada de rios e poços. Os primeiros moinhos de vento práticos surgiram na Pérsia, possivelmente por volta do século 5 D.C. Esses eram moinhos de vento horizontais, com eixo vertical longo com seis a doze velas retangulares cobertas de esteiras de junco ou pano e foram utilizados para moagem de grãos, assim como na trituração para o preparo de munições e nas indústrias de cana de açúcar. O uso de moinhos de vento se difundiu em todo o Oriente Médio e Ásia Central e mais tarde, se espalhou para o resto da Europa, Índia e China. Alguns exemplos mais antigos de moinhos de vento, podem ser vistos na cidade de Nashtifan, onde eles estão ainda em uso.


Nashtifan é uma cidade localizada na parte sul da província Khorasan Razavi, no Irã, há 20 quilômetros de Khaf e 30 quilômetros de distância da fronteira com o Afeganistão. Uma das características principais da área, são os fortes ventos que sopram fazendo com que inicialmente fosse chamada de Nish Toofan ou "picadas da tempestade". Como resultado dos elementos naturais na área, moinhos de vento têm sido parte da criatividade industrial da região e usados ao longo de muitos séculos.

Existem aproximadamente 30 moinhos de vento espalhados pela zona e podem atingir alturas de 15 a 20 metros. Acredita-se que os moinhos de vento foram erguidos durante a dinastia safávida e construídos com madeira, palha e barro. As pás de madeira desses moinhos, fazem rodar as pedras de moagem em uma sala feita de barro. Cada moinho consiste de 8 câmaras rotatórias com cada câmara contendo 6 lâminas verticais (essencialmente, uma parede com fendas).

Uma vez que as câmaras começam a girar com a força do vento, isso resulta no giro principal do eixo do moinho que por sua vez, está ligado aos moedores de grãos. As vibrações criadas por tal rotação, gradualmente mudam os grãos do recipiente para os moedores. O processo praticamente automático resulta em grãos moídos, ou seja, farinha.

Os moinhos em Nashtifan possuem um design horizontal, ou seja, o eixo é vertical e os painéis de vento giram horizontalmente. Este é o primeiro projeto documentado conhecido e não é muito eficiente em comparação com os moinhos verticais de hoje, onde as lâminas de vento giram verticalmente. A desvantagem dos moinhos de vento horizontais é que devido aos painéis de vento girarem horizontalmente, apenas um lado absorve a energia do vento enquanto a outra metade do dispositivo, essencialmente fica contra o vento e portanto, desperdiça energia. Como resultado as lâminas não podem rodar mais rápido, ou da mesma velocidade do vento. A desvantagem do design é compensada pela imensa energia gerada pelos ventos que a área oferece. Em Nashtifan, a velocidade do vento muitas vezes chega a 120 quilômetros por hora.

Em 2002, os moinhos de vento de Nashtifan foram registrados como patrimônio nacional pelo departamento de Patrimônio Cultural do Irã.




Os moinhos em pleno trabalho:


.

.
Fonte