terça-feira, 22 de julho de 2014

Por que os Franco-atiradores alemães disparavam nos britânicos com bigode?


Os  franco-atiradores do exército alemão haviam melhorado consideravelmente as suas armas e sistemas óticos desde a Primeira Guerra Mundial. Sua excelente preparação e os precisos fuzis Máuser Kar 98k provocaram o pânico entre os aliados durante os dois primeiros anos da Segunda Guerra Mundial.

Os atiradores alemães avançavam com as tropas, cobriam seus flancos e abatiam aos observadores, ninhos de metralhadoras, operadores de artilharia, provocando a desmoralização das tropas, que sentiam que não se encontravam a salvo em nenhum momento.

Uma das táticas dos atiradores de elite alemães durante um avanço inimigo, consistia em ferir primeiro aos soldados situados nas últimas fileiras mediante disparos certeiros em seus estômagos. Os lancinantes gritos dos feridos provocavam o pânico entre seus colegas e os atiradores alemães aproveitavam esses momentos de desconcerto para acertar na cabeça dos soldados inimigos mais próximos.

Outra técnica similar usada pelos franco-atiradores era a de não matar, mas sim, ferir um inimigo e quando seus companheiros iam socorrê-lo, aproveitavam para causar mais baixas. Os atiradores de elite alemães também conseguiram semear o pânico e o desconcerto entre as fileiras aliadas, disparando de uma maneira seletiva nos oficiais e comandos inimigos. Foi tão alto o número de baixas entre os oficiais britânicos que em determinado momento, chegaram a suprimir todo sinal ou distintivo de categoria de seus uniformes.

Apesar disso, os atiradores alemães continuavam identificando e fazendo buracos nos oficiais. Uma vez capturaram a um franco atirador alemão e o interrogaram para saber como conseguiam identificá-los, ele respondeu que:

-Disparamos nos soldados que tem bigode!

E por que os oficiais britânicos tinham bigodes?

Segundo a Ordem nº 1.695 do Regulamento Real de 1860:

O cabelo da cabeça se manterá curto. O queixo e a parte inferior do lábio deverá ser barbeado, mas não a parte superior.

No começo da Primeira Guerra Mundial, os soldados começaram a perceber a falha naquele obsoleto regulamento porque em muitas ocasiões, os bigodes impediam que as máscaras de gás se ajustassem perfeitamente, gerando o perigo de inalar os gases. Em 6 de outubro de 1916 o general Sir Nevil Macready derrogou a obrigação do bigode. Mesmo assim, muitos oficiais que ostentavam bigodes, ainda que fossem soldados rasos, seguiram mantendo...E aquilo era uma sentença de morte.

Fonte