terça-feira, 19 de agosto de 2014

A Grande Mesquita de Samarra

A Grande Mesquita de Samarra está localizada na cidade de Samarra, no Iraque, cerca de 120 km ao norte de Bagdá, às margens do rio Tigre. Foi construída no século 9, encomendada pelo califa abássido Al-Mutawakkil, que se mudou para Samarra para escapar de conflitos com a população local, em Bagdá e permaneceu lá durante os seguinte 56 anos - um período durante o qual ele construiu muitos palácios incluindo a maior mesquita em todo o Islã.

A Grande Mesquita ocupava uma área de 17 hectares; O edifício em si cobria 38.000 metros quadrados e permaneceu como a maior mesquita do mundo pelos seguintes 400 anos antes de ter sido destruída pelos exércitos do governante mongol Hulagu Khan, durante a invasão do Iraque no ano de 1278. As paredes de 52 metros do imponente minarete é tudo o que resta desta Mesquita.

A mesquita tem um desenho retangular abrangidos por um muro de tijolos cozidos de 10 metros de altura e 2,65 metros de espessura e apoiado por um total de 44 torres semi-circulares incluindo os quatro cantos. Podia-se entrar na mesquita por uma das 16 portas.

Dizem que era caracterizada com várias pequenas janelas em arco acima de cada entrada, que entre cada torre, um friso de nichos quadrados afundados com quadros chanfrados percorria a parte de cima de toda a estrutura. A mesquita tinha 17 corredores, e as suas paredes eram revestidas com mosaicos de vidro azul escuro. O pátio era cercado por todos os lados por uma arcada, com a maior parte voltada para Meca.

No dia 1 de abril de 2005, o cume do minarete Malwiya foi danificado por uma bomba. Supostamente, os insurgentes atacaram a torre porque as tropas norte-americanas a estavam utilizando como posto de observação. No entanto, segundo Tony Blair, em seu depoimento de investigação do Iraque de 21 de janeiro de 2011, os insurgentes haviam atacado a mesquita para incitar a violência entre sunitas e xiitas e desestabilizar o país. A explosão removeu tijolos do cume do minarete e de sua rampa espiral.







Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário