segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Soldados que Ainda "Lutam" em Tempos de Paz

O Centro de Guerra de Enfermagem de Inválidos no distrito de Kim Bang da província de Ha Nam, Vietnã, é o lar de 110 veteranos que tiveram lesões cerebrais que lhes causaram doenças mentais.

Desde a sua criação em 1976, o centro tem cuidado de mais de 500 soldados gravemente feridos.
O Centro está dividido em três faculdades. A faculdade 3 é para os veteranos que estão em condição estável e por vezes, podem voltar para casa com suas famílias. A faculdade 2 cuida de parentes das pessoas que se dedicaram ao país durante o tempo de guerra e a faculdade 1 trata dos soldados feridos que sofrem de lesões cerebrais ou demência grave, ou ainda, que não podem se conter e poderiam fugir a qualquer momento.
Mais de 60 funcionários, incluindo 11 médicos e 21 enfermeiros, cuidam e tratam de mais de 100 veteranos.
Eles precisam tomar a medicação duas vezes por dia, uma antes do almoço e outra à 16:00. Cada pessoa tem uma receita especial, mas os medicamentos só podem ajudar a aliviar a sua dor, e não curá-los totalmente.
Das 40 pessoas na Faculdade 3, os medicamentos podem funcionar como analgésico para os veteranos. Obcecados pela guerra e torturados pela dor física, alguns veteranos não podem comer por dias, apenas gritar; outros ficam nus para a prática de meditação sobre a cama; outros, de repente, saúdam a bandeira e cantam o hino nacional ... Eles precisam de ajuda de enfermeiras e enfermeiros.
Veteranos na sala de jantar.

Sr. Quan Van Minh de 60 anos, da província de Ha Nam, foi viver no centro há 36 anos. Ele estava paralisado em ambas as pernas e precisava se mover com uma cadeira de rodas. Mas agora suas mãos estão enfraquecidas por isso ele não pode mais usá-las. A Sra Dinh Thi Thuy tem cuidado de seu marido em seu quarto no centro há mais de três anos. Minh ganha um benefício de mais 4 milhões de VNDs (US $ 200 ou Aproximadamente 400 Reais), check-ups médicos periódicos e medicamentos gratuitos.
Sr. Nguyen Xuan Tai, 64 anos, é um caso especial. Devido a lesões cerebrais, ele perdeu a memória. Ele não tem nenhum parente. Seu único amigo é seu companheiro de quarto o Sr. Vu Duc Luyen.
Mr. Truong Cong Thanh, 62, de Hai Phong, ainda se lembra de que sua cabeça foi atingida por um estilhaço de M79 em Buon Me Thuot. Mas às vezes ele perde o controle e põe em perigo a si mesmo.
Todos os dias os soldados feridos assistem televisão no centro, ouvem rádio e leem jornais sob a instrução de enfermeiros e serventes.
A sala também é de fisioterapia, onde veteranos fazem exercícios sob a orientação de médicos.
Depois de anos de tratamento, muitos veteranos com doenças mentais se acostumaram com a vida lá, sua segunda casa.
Muitos soldados feridos tiveram a memória parcialmente restaurada e a percepção. Algumas pessoas podem até ler livros e ajudar seus companheiros em atividades da vida diária.
De 110 veteranos, mais de 35% não têm filhos ou são divorciados por causa de doenças graves. O resto tem famílias, mas seus familiares só visitam eles durante as férias.
Muitos veteranos desejam viver aqui para o resto de suas vidas, pois se sentem incapazes de voltar a uma vida normal.
Fonte

Um comentário:

  1. É uma história triste, deve ser horrível perder a memória, se esquecer de quem você é... mas eles pelo menos tem quem cuida deles e dá o mínimo de dignidade merecida, coisa que talvez não teriam fora desse instituto.

    ResponderExcluir