terça-feira, 2 de setembro de 2014

Curionautas Doodles #40

* Essa postagem trás os Doodles, que são as mini-postagens com curiosidades que publicamos no Facebook




Em que consiste a temível gangrena gasosa?

A sua descrição parece mais própria de um filme de Terror ou de Ficção científica, mas a gangrena gasosa é totalmente real. Trata-se de um processo infeccioso muito pouco comum causado habitualmente pela bactéria chamada ''Clostridium perfringens'', embora também possa ser provocada por outros agentes patogênicos como os estreptococos do grupo A. Estas bactérias costumam estar na maioria dos locais, mas em certas ocasiões podem proliferar dentro do corpo humano, multiplicando-se e gerando gases e emanações tóxicas que podem danificar os tecidos, as células e os vasos sanguíneos do paciente.

No caso da gangrena gasosa, normalmente aparece em situações em que a pessoa sofreu um traumatismo ou uma ferida cirúrgica recente; embora estima-se que 1 em cada 5 casos não há aparentemente um causante que a origina. Desta forma, as pessoas com problemas vasculares subjacentes como aterosclerose e os doentes de diabetes ou câncer de cólon têm mais predisposição à sofrer.

Habitualmente provoca um inchaço muito doloroso, provoca mudanças de cor na pele, percebe-se um gás crepitante embaixo da zona afetada e as mudanças produzem-se muito rapidamente, com secreção, aparecimento de bolhas, febre moderada ou alta, edemas, etc.

Os seus sintomas aparecem normalmente de forma súbita e obrigam a um rápido diagnóstico, pois o paciente afetado pode morrer por um choque em questão de horas depois de sofrer insuficiência renal e diminuição da pressão arterial. A melhor forma de frear o seu avanço é extirpar com cirurgia o tecido afetado ou morto, assim que pode acabar na amputação da extremidade (braço ou perna) onde se origina.

Além disso, também se recomenda o uso de antibióticos, bem como a introdução do doente em uma câmara de oxigênio hiperbárica para ser submetido a pressões de 3 atmosferas com o objetivo de eliminar às bactérias causantes desta perigosa gangrena.


Via: cccmh.com




É possível viver com apenas metade do cérebro?

Hoje em dia, o cérebro continua a ser o órgão mais desconhecido para a Ciência e isso é demonstrado em casos como o de Jake Gladstone. Esta criança britânica nasceu em 2009 e quando tinha só 6 meses comprovaram que possuía problemas para usar o seu braço direito, assim que lhe realizaram provas revelando que ele padecia de "encefalomalacia cística". Esta doença implica que uma ampla porção do cérebro não se desenvolva, neste caso talvez por uma falta de oxigênio quando estava no ventre materno.

Os médico prognosticaram que por este problema, ele não poderia andar nem falar, mas a criança tem atualmente quatro anos e é capaz de fazer tudo com normalidade. O que, no entanto, não evita que tenha que receber ajuda para algumas tarefas básicas como se vestir ou comer, além de padecer outras sequelas como pequenos ataques epilépticos.

Problemas que não impedem que os seus pais sejam muito felizes vendo como Jake cresce a cada dia como uma criança praticamente normal. Os médicos estão surpresos pelos seus progressos, já que afirmam que normalmente é uma doença devastadora. Mas, como assinala o pediatra Gail Herman, parece que neste caso o seu lado do cérebro são, aprendeu a substituir as funções da zona incapacitada.


Via: mirror.co.uk




Qual foi o vírus mais letal da história da humanidade?

Nas últimas semanas fala-se muito do vírus Ebola, igual faziam da chamada ''Gripe A''. No entanto, nenhuma destas doenças chega perto da mortalidade que provocaram outros vírus na história da humanidade. De fato, tal foi a sua impressão nos séculos, que atualmente resulta praticamente impossível fazer uma estimativa aproximada de todas as vidas ceifadas por todo o planeta.

Segundo assinala o diário ''ABC'' calcula-se que o pior vírus de todos foi a Varíola, no qual ao longo de 10.000 anos, provocou o desaparecimento de duas civilizações históricas como os aztecas e os incas, graças à sua letalidade de 90%.
Além disso, acredita-se que que no final do século XVIII acabava com a vida de 400.000 pessoas por ano só na Europa.

Depois da varíola, a gripe é o outro vírus mais mortífero da história. Hoje em dia fala-se dele no mundo Ocidental como uma doença pouco mais que incômoda, mas as cifras seguem lançando dados surpreendentes: a cada ano mata entre 250.000 e 500.000 pessoas.

De fato, durante o século XX, houveram três grandes epidemias de gripe que acabaram com dezenas de milhões de vidas. A pior, a epidemia de gripe espanhola de 1918, fez perecer a mais de 30 milhões de pessoas. Um número próximo dos quase 40 milhões de pessoas que a AIDS matou desde o seu aparecimento em princípios dos anos 80.


Via: abc.es




Qual era o incrível segredo do livro de medicina de Boerhaave?

Herman Boerhaave (1668-1738) foi um famoso médico, botânico e humanista de origem holandesa que se destacou na sua época pelos seus grandes conhecimentos em medicina. Durante a sua vida, ocupou várias cátedras na Universidade de Leiden e brilhou pela sua capacidade de combinar os trabalhos clássicos com as teorias patológicas que haviam surgido no século XVII. Embora hoje em dia, talvez uma das coisas que mais é lembrado, seja pelo seu grande senso de humor.

Depois de morrer deixou em testamento um livro escrito de próprio punho e letra intitulado ''Os segredos mais exclusivos e mais profundos da arte médica". O mesmo estava selado, assim que mais tarde a obra foi vendida em um leilão público, em troca de 20.000 dólares em ouro.

O mesmo chegou a mãos do anônimo comprador totalmente fechado, mas a sua surpresa foi grande ao ver o que continha no seu interior: folhas em branco e, ao final, uma pequena nota que dizia:
"Conserve a cabeça fresca, os pés quentes efarás empobrecer ao melhor médico do mundo".


Via: en.wikipedia.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário