quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Reerguida das Cinzas

A Biblioteca Anna Amalia, em Weimar, é um dos mais importantes centros da vida intelectual alemã. Dez anos atrás, foi tomada pelas chamas. Especialistas ainda estão tentando salvar dezenas de milhares de livros.

Passada uma década desde o incêndio que destruiu grande parte de seu acervo, a Biblioteca da Duquesa Anna Amalia de Weimar, no estado alemão da Turíngia, está a caminho da recuperação. Os danos arquitetônicos foram praticamente reparados e o salvamento de seus centenários livros está em franco progresso.

Templo do saber

Fundada em 1691, a Biblioteca Anna Amalia, em Weimar, é considerada Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco. Recebeu o nome de Anna Amalia de Brunswick-Wolfenbüttel, que foi sua maior patrocinadora. O salão em estilo rococó é um dos mais magníficos templos de livros do mundo. Após um incêndio, o prédio foi reaberto em 24 de outubro de 2007, dia do aniversário de sua patrona.
Sala de estudo de Goethe

Assim era o salão rococó antes do incêndio. O filho de Anna Amalia, Carl August, Grão-Duque da Saxônia, expandiu a biblioteca enquanto novo governante, a partir de 1775. Dois anos mais tarde, ele imbuiu Johann Wolfgang von Goethe da supervisão geral da biblioteca. Goethe ocupou o cargo até sua morte, em 1832, a tornando uma das bibliotecas mais importantes da Alemanha.

O grande incêndio

Em 2 de setembro de 2004, pouco antes de uma planejada reforma, o "berço do classicismo alemão" sofre um incêndio que atinge o terceiro andar e a mansarda da histórica biblioteca. O incidente não deixa só a população de Weimar consternada: amigos de cultura em todo o mundo ficam chocados com as imagens do edifício barroco em chamas.
Destruição de um monumento

A segunda galeria do histórico salão rococó é destruída totalmente pelo fogo, outras partes da casa são seriamente danificadas pela água usada para combater o incêndio. A biblioteca perde 50 mil livros históricos, outros 62 mil foram danificados pelo fogo e pela água. Causa do incêndio foi um cabo elétrico defeituoso, segundo especialistas.
Joias culturais queimadas

Uma imagem desoladora é presenciada pelos bombeiros após a eliminação do fogo. O incêndio destruiu ou danificou seriamente cerca de um quinto do acervo histórico e um décimo do acervo total de um milhão de livros. Cerca de 28 mil volumes foram salvos do prédio de 400 anos pelo diretor da biblioteca, Michael Knoche, e por numerosos voluntários, incluindo uma valiosa Bíblia de Lutero.
Compromisso comum pela cultura

Um total de 38,8 milhões de euros em doações, subsídios do governo e recursos de fundações foram recolhidos desde 2004 para o salvamento do acervo. Deles, 20 milhões já foram gastos. Com os restantes 18 milhões de euros, a fundação Klassik Stiftung Weimar quer continuar com o programa por, pelo menos, mais 15 anos.
Luta para reconhecer as letras

Cerca de 36 mil capas de livros já foram restauradas, em parte através dos mais recentes métodos de reconhecimento de escrita. Mas a restauração das obras mais fortemente danificadas, os chamados "Aschebücher" (livros de cinzas), ainda levará muitos anos para ser concluída. Um quinto das 50 mil perdas totais pôde ser substituído, mas muitos dos livros eram peças únicas.
Um Copérnico salvo

O sucesso mais recente: entre os chamados "livros de cinzas" apareceu em um tesouro há muito tempo perdido. Uma primeira edição do "De revolutionibus orbium coelestium", de Nicolau Copérnico, do ano de 1543. Nele, Copérnico provou que a Terra gira sobre seu próprio eixo e faz parte de um sistema planetário que orbita em torno do Sol. Esta teoria iria mudar a visão do mundo para sempre.
Novo centro de estudos

Cinco meses após o maior incêndio ocorrido em uma biblioteca alemã no pós-guerra, é inaugurado um novo edifício orçado em 23,8 milhões de euros em fevereiro de 2005. Nela, o público tem acesso livre a mais de 100 mil mídias. A nova biblioteca inclui também dois arquivos subterrâneos que ligam a biblioteca histórica à nova biblioteca.
Feridas visíveis

A segunda galeria do salão rococó, completamente destruída pelas chamas, não foi reconstruída em sua forma original, mas transformada em uma sala de leitura especial. Aqui podem ser estudados manuscritos, mapas e globos terrestres, e peças das coleções especiais, que exigem condições específicas de manuseamento. Na foto, é possível reconhecer claramente o setor destruído e a parte restaurada.
Berço do saber

A Biblioteca Anna Amalia é utilizada por pesquisadores nacionais e estrangeiros. A especialidade da biblioteca é a pesquisa da literatura alemã do Iluminismo ao período romântico tardio. Fazem parte do grande acervo 2.600 livros manuscritos, 8.600 mapas e 29 globos terrestres, assim como microfilmes, mídias sonoras e eletrônicas.
Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário