domingo, 26 de outubro de 2014

As 10 ilhas Prisões mais Misteriosas do Mundo

Ao longo de todo o século 20, numerosas ilhas foram convertidas em assustadores locais de reclusão para dezenas e inclusive centenas de pessoas. Algumas foram palco de numerosos incidentes nebulosos e macabros acontecimentos.
Esta é uma lista das mais misteriosas ilhas convertidas em prisão ao longo do século passado. 

Ilha Imrali, Turquia. Com apenas 10 quilômetros quadrados de extensão, acolheu uma multidão de presos desde princípios do século 20. Em 1999 foi convertida em ''prisão de segurança máxima'' para manter a um único presidiário, o líder do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, Abdullah Ocalan, que cumpriu pena em solidão até 2009.
Ilha Bastøe, Noruegua. Em 1915 foi construída nessa ilha, um centro de detenção juvenil, com métodos de controle e educação muito rígidos, a fim de reabilitar àqueles que haviam cometido delitos em Oslo. A partir de 1982 foi convertida em uma ''prisão ecológica''.
A Ilha Gorgona, na Colômbia. A enorme quantidade de serpentes que abriga e sua inacessibilidade, motivaram o Governo colombiano à convertê-la em prisão de segurança máxima em 1959, acomodando os criminosos mais perigosos do país. Em 1984 foi fechada e convertida em um parque natural.
A Ilha Nukulau, Fiji, foi o palco da reclusão do golpista George Speight e seus colaboradores no ano 2000, após a Corte Suprema declarar ilegal o seu governo. A prisão foi fechada em 2006 devido à enorme despesa que causava aos cofres do país.
A Ilha Coibá, no Panamá, serviu como prisão para os opositores ao Governo durante os mandatos de Omar Torrijos (1972) e Manuel Noriega (1983), sendo palco de torturas extremas e execuções. Em 2005 foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.
A Ilha Kambangan, conhecida como ''a Alcatraz da Indonésia'', se converteu entre 1964 e 1998 em um local de reclusão para os prisioneiros políticos, principalmente membros do Partido comunista, mais perigosos para o regime indonésio. Depois da queda do presidente Suharto, deixaram os prisioneiros morrerem de fome e doenças.
Na Ilha Manus, em Papua Nova Guiné, foi construída em 2001, um Campo de Detenção para Migrantes que faziam parte da iniciativa ''Solução do Pacífico'' do Governo australiano. Atualmente, mais de 1244 migrantes irregulares se encontram no lugar esperando resposta, o que custa ao Governo 1050 milhões de dólares a cada 20 meses.
A Ilha Pyatak, na Rússia, também chamada ''Ilha de fogo'', foi um cárcere destinado aos ''inimigos'' da Revolução Bolchevique, se convertendo depois em campo de concentração durante a Grande Purga estalinista. Atualmente alberga presidiários que cumprem prisão perpétua, somando um total de 193 prisioneiros.
A Ilha Tubarão, na Namíbia, foi o epicentro do processo de extermínio das populações Nama e Herero por parte do Governo colonial alemão em princípios do século 20. Foi convertida em península de forma artificial para propiciar trabalhos forçados.
A Ilha Robben, na  África do Sul, é a única prisão do mundo que abrigou três chefes de Estado, entre eles, Nelson Mandela. Também foi local de reclusão para líderes negros que se opunham ao Apartheid. Em 1999 a UNESCO declarou a ilha como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Fonte

Um comentário:

  1. Faltou a ILha Anchieta, no município de Ubatuba, Estado de São Paulo, Brasil, onde aconteceu a maior rebelião, de presos, do mundo, em 20 de junho de 1952.

    ResponderExcluir