quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Curionautas Doodles #64

* Essa postagem trás os Doodles, que são as mini-postagens com curiosidades que publicamos na na nossa página no Facebook




Por que as camisetas brancas brilham nos clubes noturnos?

Este curioso efeito deve-se, na realidade, ao sabão que utilizamos para lavar a roupa. A maioria dos fabricantes incluem branqueadores ópticos em seus produtos para conseguir esse "mais branco que branco" que garantem em suas mensagens publicitárias. O que ocorre é que esses compostos são especialmente sensíveis à luz ultravioleta, que a absorvem e depois re-emitem com uma tonalidade azulada. Precisamente, a luz negra que empregam muitos clubes em sua iluminação, possui um alto componente ultravioleta, o que faz com que a fluorescência fique o suficientemente intensa para fazer com que a roupa pareça brilhar.


Via: technews24h.com




Por que algumas pessoas n'água flutuam melhor que outras?

Sempre convém lembrar que o princípio de Arquimedes reza que: "Um corpo total ou parcialmente imerso em um fluido sofre um empuxo que é igual ao peso do volume do fluido deslocado pelo corpo." O elemento determinante para que tal empuxo vença à força de gravidade é a densidade: se a do objeto é menor que a do líquido, flutuará. Assim faz a madeira, mas não o chumbo. Como no caso da água, esta e o ser humano estão praticamente empatados, a capacidade de sustentação na superfície aquática, dependerá de pequenos detalhes.

Em primeiro lugar, há diferenças de sexo. Geralmente os homens acumulam menos gordura e isso limita seu potencial de flutuabilidade. Pelo mesmo motivo, ou seja, pela escassa presença de lipídios, as crianças e os adolescentes teriam mais dificuldades para não afundar.

E talvez isto também sirva para explicar, em parte, por que há tão poucos nadadores afrodescendentes, cuja constituição apresenta maior volume ósseo e muscular que a dos caucasianos. Por último, também há que ter em conta o fator psicológico: uma pessoa que não sabe nadar e fica nervosa, pode acabar engolindo água e afundando devido a seus movimentos descontrolados.


Via: bbc.co.uk&en.wikipedia.org




Os submarinos avançam mais rápido em água fria ou quente?

As propriedades da água que podem influenciar na velocidade à que se move um submarino pelo mar, são sua densidade e viscosidade. Ambas variáveis dependem da temperatura à que se encontra o líquido elemento.

Por sorte para as marinhas dos diferentes países, a categoria de temperaturas da água nos oceanos mal altera sua densidade e viscosidade, assim que a velocidade do submarino não se vê influenciada por suas flutuações.

Agora, por princípios termodinâmicos, o motor que propulsiona o submarino deveria ser mais eficiente em águas frias. Isto acontece porque todos os motores que convertem a energia térmica em trabalho mecânico, exploram as diferenças térmicas que existem entre dois focos de temperatura, um quente e outro frio.

Neste caso, ante a eficiência do motor, calcula-se restando ambas temperaturas e dividindo o resultado pela temperatura do foco quente. Se as demais condições termodinâmicas às que se encontra o motor se mantêm iguais, este deveria otimizar seu rendimento em águas a baixas temperaturas.

Mas do mesmo modo que acontece com a viscosidade, a diferença obtida também não é significativa. De um ou outro modo, em teoria, os submarinos navegam melhor em águas gélidas, mas a vantagem quase não é apreciável.


Via: en.wikipedia.org




Foram cumpridas as predições de Asimov sobre como seria o ano de 2014?

Com motivo da Feira Mundial de Nova Iorque de 1964, celebrada em plena corrida nuclear e com o amanhã pendendo de um fio, o escritor Isaac Asimov se aventurou a predizer como seria a vida neste incerto e longínquo futuro que situou no ano de 2014, isto é, em nosso presente imediato.

Em um ensaio publicado no diário The New York Times, o prolífico autor de "Foundation" atreveu-se a prever os avanços tecnológicos que conviveriam (ou competiriam) com o ser humano meio século depois. Enquanto algumas de suas predições continuam sendo ficção científica hoje em dia, a maioria de suas incríveis hipóteses foram cumpridas, tal e qual a sua imaginada ciência da psico-historia seria capaz de predizer com precisão matemática o porvir dos acontecimentos futuros.

Esta disciplina adivinhatória só existe em suas novelas, mas a verdade é que o bioquímico possuía uma intuição assombrosa com respeito aos êxitos dos cientistas que viriam a acontecer. Por certo, Asimov mencionou em seu artigo, um mundo com uma importante presença de robôs, embora estes não fossem muito comuns, nem muito avançados, mas na verdade, pequenos autômatos capazes de desempenhar tarefas simples, ainda afastados da inteligência artificial almejada por Alan Turing.

"Os móveis de cozinha prepararão comidas, esquentarão água e a converterão em café", foi, literalmente, uma de suas conjecturas. Seguindo com a tecnologia doméstica, também previu a existência de telas de televisão de parede e de janelas polarizadas para bloquear a luz.

Asimov profetizou a chegada das vídeo-conferências e dos dispositivos sem fios. "As comunicações serão audiovisuais e uma pessoa poderá ver, além de escutar à pessoa à que chama", prediz com acerto no artigo, a possibilidade de estabelecer comunicações com qualquer ponto da Terra, incluídas as estações meteorológicas da Antártida, viável hoje em dia graças aos satélites.

Na área das telecomunicações também, prognosticou que no ano de 2014 só chegariam a Marte, naves sem tripulação, como é o caso do último veículo enviado ao planeta, o rover Curiosity, embora a primeira missão de exploração humana não tardará muito.

O visionário atreveu-se inclusive a diagnosticar o comportamento da sociedade derivada de ditas mudanças radicais em seus hábitos, concluindo que as máquinas nos facilitariam a vida até o ponto de estender uma verdadeira epidemia de aborrecimento, com consequências mentais, emocionais e sociológicas, e que a psiquiatria seria portanto, a especialidade médica mais importante no ano de 2014.

Sem chegar ao extremismo de Asimov, poderia ser considerado que existe certa tendência à insatisfação, ao menos com respeito ao uso das redes sociais. Também advertiu da inclinação social doentia ao custo dos avanços tecnológicos, com sua afirmação "nem toda a população do mundo desfrutará por completo das ferramentas do futuro".

Issac Asimov errou, no entanto, ao especular da existência de fazendas de microrganismos, plantas experimentais de fusão nuclear, baterias nucleares para celulares, casas submarinas, transportes voadores e outras inovações que, em realidade, se encontram já em fase de testes e talvez, venham a ser comercializados antes de que termine o século para o qual formulou estas profecias.


Via: cnet.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário