segunda-feira, 13 de outubro de 2014

姑獲鳥 - 産女 Ubume - O Mito das Mães Mortas no Parto

Ubume é o espírito de uma mulher que morreu durante a gravidez ou no parto. Desde a antiguidade no Japão, existe a crença de que se uma mulher que morreu no parto for enterrada com a criança em seu ventre, ela voltaria na forma de Ubume.

No passado, em muitos estados do país do sol nascente, as grávidas mortas tinham suas barrigas abertas e o feto retirado e colocado no colo da defunta como parte do ritual para impedir a condição de Ubume. Nos casos em que o feto não poderia ser removido era costume colocar uma boneca no caixão.

Nos pergaminhos da dinastia Tang da China, nos "Trechos diversos de Youyang" do século 9, e no pergaminho de número 462 dos "Extensos registros da época de Taiping", figuram os registros de um pássaro monstro chamado de "Yakou Yuujo" (Literalmente "mulher que perambula pela noite") que roubava crianças humanas, sendo considerado a personificação física do espírito de uma mulher que teria morrido no parto, sendo apontado como a possível origem da lenda.

Na maior parte do Japão, a lenda aponta mais para uma mulher com um avental branco de parturiente banhado em sangue, segurando uma criança morta nos braços e perseguindo pessoas pela noite, do que para um pássaro mostro gigante que arrebataria as crianças. No entanto, esta última versão também é contada em alguns lugares.

Figura no "Compêndio de matéria médica" publicado na China durante a dinastía Ming por Li Shizhen, e na "Enciclopédia ilustrada Sino-japonesa", trechos sobre a estranha condição tais como: "...A mulher envolta nos panos de parturiente segura o seu coração (Bebê). Sua forma, é de uma mulher da cintura para baixo coberta de sangue, cuja voz pia com o som de 'Bareu, bareu'..."

Essa imagem ensanguentada, tem origem na antiga crença de que o filho que nasceria em um clã, era de muita importância e caso a parturiente falhasse em trazê-lo à luz, o banho de sangue característico de um parto sofrido, denotaria que o espírito da mulher seria enviado ao "lago de sangue do inferno" oriental para ser punido.

Nas regiões de Kanayama e Minami Aidzu, na província de Fukushima, existia a crença em Ubume, porém nessas localidades é conhecida por "Obo", que seria um espírito com forma de mulher com uma criança no colo e que ao encontrar alguém à noite, entregaria o bebê em seus braços para logo em seguida, se desvanecer rumo ao além, no entanto, o bebê deixado com o estupefacto indivíduo, morderia sua garganta, matando-o.

Como evitar um ataque de Ubume

No passado, para evitar um ataque desses, os homens costumavam carregar as moedas furadas transpassadas por um cordão e as mulheres usavam uma espécie de capuz, um pano para limpar as mãos (Tenugui) ou um pano enrolado na cintura e ao lançar tais itens na direção da entidade "Obo", esta ficaria entretida com os objetos e nesse ínterim, o indivíduo poderia escapar. Em caso de já se encontrar com o tal bebê nos braços, bastaria virá-lo para o lado contrário, evitando assim de ser mordido. A propósito, "Obo",nada mais é que "Ubu" de Ubume, pronunciado com o sotaque da região, possuindo ambas lendas a mesma raiz folclórica.

Nas regiões de Nishimatsu, província de Saga e em Aso, província de Kumamoto, a lenda varia ligeiramente, sendo chamada de "Ugume", novamente com a pronúncia alterada pelo sotaque local e consta que seria basicamente o mesmo da lenda acima, apenas que o indivíduo ao qual a criança foi deixada nos braços, se converteria em pedra, ou em um pequeno farol de pedra ou ainda, em um porrete de bater em palha de arroz, logo ao amanhecer.

Na província de Ibaraki, existe a lenda de "Ubametori", um pássaro monstro que rondaria às noites em busca de quimonos de crianças pendurados no varal. A criatura acreditaria que tal quimono de criança seria o seu próprio filhote e depositaria na peça de roupa para marcá-la, o seu leite venenoso.

Segundo acadêmicos, a lenda de Ubame e "Kokakuchou", pronúncia do nome do pássaro monstro, possuem a mesma origem chinesa e no passado, se pronunciava o nome do pássaro 姑獲鳥(Kokakuchou) como Ubame, independente dos caracteres chineses. Hoje em dia, a entidade e a condição, são referenciadas pela grafia adequada: 産女.

No Japão, o "Kokakuchou" seria uma ave monstro parecida com a gaivota que desceria à terra para capturar crianças na forma de uma mulher e quando encontrasse com alguém, pediria para que este cuidasse do infante e em caso de recusa, o indivíduo seria alvo de uma maldição padecendo de uma doença que alternaria violentos tremores de frio e ardentes febres, levando-o à morte.

No livro japonês do início do período Edo (1603-1868) "Conceito das 100 histórias do passado e do presente", de autoria de Genrin Yamamoto, figura que: "...Quando se acredita não existir mais, eis que o corpo da grávida morta possui vida que verde de si...", ou seja, que as pessoas daquele tempo que avistaram o cadáver em decomposição de uma mulher morta, teriam notado que de seu corpo vertiam pássaros, peixes e insetos sendo uma base para a associação do pássaro monstro com a condição de Ubume.

Ubume na atualidade

No dia 15 de maio do ano 59 da era Shouwa (1984), às 7 horas e 25 minutos, na província de Shizuoka, cidade de Shizuoka, distrito de Aoi, aconteceu um acidente na avenida tradicionalmente chamada de Ubume, onde uma mulher que estava dirigindo um veículo, chocou contra uma mureta e arremessou várias crianças que estavam em uma fila rumo à escola.

Segundo testemunhas, à esquerda do cruzamento de 3 vias, teria aparecido a figura de uma estranha mulher de pé e ao se assustar com sua presença, a motorista teria desviado e provocado o acidente.


No entanto, segundo as próprias crianças, a condutora teria desviado de uma moto, perdendo o controle da direção e não fizeram menção a nenhuma mulher.

Justamente essa área onde ocorreu o acidente, é conhecido desde os tempos antigos como local de manifestação da entidade Ubume, inclusive chamado de "Ubume Shinden" (Campo de Ubume), cuja origem remonta ao período Edo, onde a esposa grávida do tintureiro Makino Kitou Hyoue, morreu durante a gravidez e devido a que seu espírito aparecia inúmeras vezes, os aldeões criaram o Santuário de Ubume para consagrá-la.

Atualmente, o Santuário de Ubume (imagem acima) é dedicado a Koyasu Kannon, (Literalmente "Santa do parto tranquilo") sendo o espírito protetor das grávidas da região.

Não esqueça de compartilhar esta postagem exclusiva do curionautas.com.br nas redes sociais, para que mais pessoas também possam apreciar curiosidades como esta:)

Fonte Fonte Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário