terça-feira, 25 de novembro de 2014

Os Faróis Varridos pelas Ondas da Bretanha

A província da Bretanha, na parte noroeste da França, forma uma grande península que se estende em direção ao Oceano Atlântico fazendo fronteira com o Canal da Mancha Inglês ao norte e o Golfo de Biscaia ao sul. As águas situadas entre a costa ocidental e a ilha Ushant formam o Mar Iroise. Esta seção do litoral da Bretanha continua a ser um dos mares mais perigosos na Europa com frequentes tempestades violentas, enormes ondas e correntes poderosas.

Mais de trinta navios foram perdidos na região entre 1888 e 1904. Devido a isso, a costa rochosa é cheia de faróis - mais de um terço de todos os faróis e torres de iluminação que iluminam a costa francesa estão localizados aqui. Essas fortificações de granito, vêm alertando marinheiros distantes dos perigos desta costa recortada e rochas traiçoeiras, desde o século 18.

Um dos mais famoso faróis é aquele construído sobre uma rocha chamada La Jument, a cerca de 300 metros da costa da ilha de Ouessant. La Jument tornou-se conhecida em 1989, através de uma série de fotografias tiradas por Jean Guichard.

Em 21 de dezembro de 1989, uma frente de baixa pressão vinda da Irlanda trouxe ventos fortes e grandes ondas de 20 a 30 metros de altura que se abateram espetacularmente contra o farol. As ondas adentraram quebrando as janelas inferiores do farol, arrancando a porta da frente, inundando a torre e levando o mobiliário onda abaixo. O faroleiro Théodore Malgorn decidiu se refugiar na sala do farol enquanto esperava para ser resgatado.

Naquele mesmo tempo, o fotógrafo Jean Guichard estava em Lorient contratando um helicóptero para tomar fotos aéreas da tempestade. Guichard quis voar sobre o mar de Iroise, apesar das condições de voo extremamente perigosas. O helicóptero chegou ao La Jument e pairou em torno para que Guichard tomasse fotos das ondas batendo contra o farol. Dentro da torre, Théodore Malgorn ouvi o que ele pensava ser seu helicóptero de resgate e desceu correndo até a porta.

Naquele exato momento, uma onda gigante levantou-se sobre a parte traseira do farol e Guichard tomou sua mundialmente famosa fotografia em que a onda quebra contra a torre. Théodore Malgorn, de repente, percebeu que uma onda gigante estava prestes a engolir a estrutura e correu de volta para dentro a tempo de salvar sua vida.



Outro farol que merece uma visita é o Phare de Kéréon ou o farol Kéréon. O farol foi construído sobre um pequeno afloramento rochoso chamado Men Tensel localizado em um estreito chamado Passage du Fromveur entre as ilhas de Ouessant e Bannec. A Passage du Fromveur apresenta fortes correntes de maré, muitas vezes rodando os 8 nós, a segunda mais forte na França, após as de Raz Blanchard, na Normandia.

Como resultado, o mar ao redor do Phare de Kéréon nunca é calmo e grandes ondas assustadoras se abatem contra ele implacavelmente. O interior, no entanto, é outra história. O piso é de carvalho adornado com mogno e incrustado de ébano, as paredes são forradas de carvalho da Hungria, a escada é de azulejo e as camas fechadas são dignas das fazendas da Bretanha. Na verdade, o Phare de Kéréon foi apelidado de "O Palácio" por causa do seu interior ricamente decorado.

O farol foi construído entre 1907 e 1916, apoiado em parte por uma doação da Madame Jules Baudy, uma descendente de Charles-Marie Le Dall de Kéréon, um oficial naval guilhotinado com a idade de dezenove anos durante a Revolução Francesa no século 18, e depois o farol é batizado com seu nome.



Quando Madame Jules Baudy soube que o Ministério das Obras Públicas estava prestes a começar a construção do farol sobre a rocha "MenTensel", ela propôs uma doação de 585 mil francos com a condição de que o farol tivesse o nome de seu tio-avô. A generosa soma de Madame Baudy não só supriu o total das despesas do Estado, mas também o deixou com dinheiro suficiente para transformar o interior em uma residência de luxo.

A sala, cozinha e dois quartos para os faroleiros, que ocupam os primeiros quatro níveis, são ricamente cobertos com painéis de madeira de carvalho. Mas é "a sala de honra", localizado no nível 5, que detém a sua atenção: paredes revestidas em madeira de carvalho húngaro com vários painéis decorados com a estrela dos faróis em relevo. O piso de madeira, construído em betume, é decorado em seu centro com uma grande Rosa dos Ventos realizadas em ébano e mogno.



O farol foi construído em granito com um diâmetro de base de 4 metros e tem 48 metros de altura. Seu fogo foi aceso pela primeira vez em 1916 e continuou a trabalhar a óleo até 1972, quando foi eletrificado. Hoje, o farol é alimentado por baterias e dois geradores eólicos. Os faroleiros, que eram responsáveis ​​pela operação e manutenção adequada, deixaram o farol em 2004. Desde então, o farol é totalmente automatizado.









Fonte

14 comentários:

  1. muito legal...maravilhosa construção

    ResponderExcluir
  2. Planejamento feito para durar!
    Boa coletânea de imagens e texto bem explicativo.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Planejamento feito para durar!
    Boa coletânea de imagens e texto bem explicativo.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Legal, e que tal copiar a técnica construtiva do farol para a ciclovia da Barra da Tijuca?

    ResponderExcluir
  6. Excelente matéria, mas tenho uma curiosidade como foi construido em um mar tão revolto em uma epoca que não tinha tanta tecnologia como agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também tenho essa curiosidade,como começou do nada ?

      Excluir
  7. Sou fascinada por faróis. Fiquei feliz pela matéria e fotos. Também me impressiona saber como foram construídos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Boa matéria.
    Só fiquei curioso como ele foi construído, principalmente a sua base.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Gostaria muito de saber como foram colocados construídos. Se alguém souber ou tiver alguma fonte de informações peço que publique.

    ResponderExcluir