terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Curionautas Doodles #97

* Essa postagem trás os Doodles, que são as mini-postagens com curiosidades que publicamos na na nossa página no Facebook




De que material estavam feitas os desconfortáveis travesseiros dos egípcios?

De pedra. Ao longo da história não é infrequente encontrar com estes objetos feitos em materiais duros como a madeira, o metal, a porcelana ou inclusive a pedra. A cultura chinesa empregava estes materiais para fabricar travesseiros, uma tradição que também chegou a Egito.

De fato, a Bíblia encarrega-se de demonstrar em um trecho do Antigo Testamento em que afirma que o patriarca israelita Jacob utilizava uma pedra como travesseiro. Uma noite teve um sonho revelador enquanto repousava sobre ela, o que provocou que a pedra fosse conservada como um símbolo. Posteriormente, os árabes foram os encarregados de melhorar o travesseiro para fazê-lo mais cômodo a partir de materiais mais macios como as plumas ou o algodão.




O que produziu o grave acidente do zeppelin Hindenburg?

O LZ 129 Hindenburg foi um dirigível zeppelin alemão caraterizado por ser a maior aeronave que construída pelo homem junto ao seu gêmeo LZ 130 Graf Zeppelin II. De longo ocupava mais que três Boeings 747 juntos e contava com uma capacidade para 50 passageiros em seu primeiro voo de 1936; embora um ano depois foi aumentado para até 72 pessoas. Foi desenhado com algodão e estava envernizado com óxido de ferro e acetato de celulose-butirato impregnado com pó de alumínio.

Esta mistura era muito inflamável, pelo que em 6 de maio de 1937, sofreu um acidente quando se encontrava na base Aeronaval de Lakehurst (Nova Jersey) a ponto de ser amarrado. Depois de esperar várias horas para atracar pelo tempo tempestuoso, algumas faíscas elétricas fizeram com que a zona da popa prendesse fogo. Daí as chamas estenderam-se rapidamente a todo o dirigível e a estrutura começou a ceder caindo em cima dos passageiros. Em menos de 40 segundos ficou reduzido a cinzas e morreram 35 das 97 pessoas que viajavam nele(Mais um técnico em terra).

Investigações posteriores, mais detalhadas, realmente atrelaram a origem das chamas a faíscas elétricas que se desencadearam ao se lançar as amarras ao solo no processo de pouso, geradas pela descarga de energia eletrostática acumulada no dirigível; contudo culparam não o gás hidrogênio mas sim a própria estrutura do balão.

Este incidente provocou que Hitler deixasse de construir estes meios de transporte e desde então os dirigíveis passaram a ser uma simples lembrança do passado e utilizados na atualidade de modo tímido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário