quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Chorosas e Aterrorizadas - Jovens em Fila para se Submeterem a uma Cerimônia de Circuncisão Tribal no Quênia

Estas imagens mostram meninas assustadas em fila ante aldeões no Quênia para serem circuncidadas - mesmo que a prática brutal agora seja ilegal no país.

Em muitas tribos africanas, as tradições são mais importantes do que as leis e a circuncisão é considerada um rito de passagem que marca a transição para a feminilidade e para que elas possam se casar.
O fotógrafo da Reuters Siegfried Modola capturou esta cerimônia na zona rural do Quênia, África, mostrando quatro adolescentes da tribo Pokot, em Baringo County.

Quatro meninas Pokot esperam do lado de fora de uma das casas, pouco antes do início de sua cerimônia de circuncisão.
Após a cerimônia, as meninas, agora cobertas com peles de animais e colares de contas, vão a pé até onde elas irão descansar após o ritual tribal.
Uma das meninas, coberta por uma pele de animal, chora depois de ser circuncidada. A prática foi proibida há três anos.

Após o ritual, os rostos das meninas são pintados de branco para mostrar que elas foram circuncidadas e transitaram para a feminilidade.
Uma menina, depois de sua cerimônia, caminha para um lugar de descanso.
Mais de um quarto das mulheres quenianas passaram por este calvário, apesar dos esforços do governo para acabar com a prática no país do Leste Africano.
"É uma tradição que vem acontecendo sempre," disse o pai de uma das meninas, que pediu para não ser identificado temendo represálias por parte das autoridades, à Reuters a partir da isolada aldeia de Pokot a uns 80 km da cidade de Marigat.
"As meninas são circuncidadas para se casarem. É a transição de uma menina em mulher ", disse ele.

Envoltas em xales coloridos brilhantes, as meninas passaram à noite reunidas em torno de uma fogueira em uma casa com teto de palha, onde as mulheres locais se reuniram para cantar e dançar em apoio.
Uma mulher caiu em transe depois de beber um vinho local.
A circuncisão é fortemente praticada entre a comunidade Pokot, e uma das mães das meninas acredita que é um sinal de força.
"A dor vai fazê-la forte. Ela pode mostrar ao resto da comunidade que ela pode suportar isso ", disse a mulher, depois de ter sua filha circuncidada por uma anciã Pokot vestindo um colar cervical frisado e grandes brincos de bronze.

Apesar de uma proibição do governo sobre a prática, a circuncisão continua a ser um rito de passagem, especialmente entre as famílias pobres em áreas rurais.
Anciãs da aldeia cobrem o rosto de uma jovem com tinta branca depois que ela é circuncidada, um requisito para as meninas antes de poderem se casar.
Mais de um quarto das mulheres no Quênia foram circuncidadas, apesar do governo tornar a prática ilegal em 2011.
Na sua forma mais extrema, a circuncisão, também conhecida como mutilação genital feminina, envolve cortar o clitóris e órgãos genitais externos, em seguida, costuram a vagina para reduzir o desejo sexual da mulher.
Qualquer coisa, como lâminas de barbear, vidro quebrado ou tesouras são utilizados como instrumento de mutilação.

O fundo da Criança da ONU, UNICEF, diz que mais de 125 milhões de mulheres foram mutiladas em 29 países da África e do Oriente Médio, onde a mutilação genital é realizada.
A lei queniana prevê prisão perpétua quando uma menina morre como consequência do procedimento, que, além de uma dor insuportável, pode causar hemorragia, choque e complicações no parto.
Foi criada uma unidade de repressão em março de 2014 e está atualmente investigando 50 casos.
Funcionários estão otimistas ao poderem forçar uma mudança de atitude, mas ainda temem que a prática esteja muito arraigada para que ameaças legais tenham impacto.

"Estamos diante de uma miríade de desafios", disse Christine Nanjala, que dirige a unidade de acusação. "Você vai encontrar a prática como algo muito valorizado. Você vai ficar quieto e você não vai denunciar. Se você fizer isso, você enfrentará represálias."
Ainda assim, Nanjala estava otimista de que a mutilação genital seria eventualmente exterminada. "Não amanhã, mas isso vai acabar," ela disse. "No final do dia, sem esperança, você não tem nada."

Com peles de animais, as meninas Pokot sentam nuas em rochas antes dos anciãs da aldeia realizarem o ritual.
Meninas Pokot esperam em suas casas para serem circuncidadas. Um pai disse: "É uma tradição que vem acontecendo sempre".
Os membros da tribo Pokot se reúnem em volta do fogo antes da cerimônia, a cerca de 80 quilômetros da cidade de Marigat em Baringo.
A lei queniana dá prisão perpétua quando uma menina morre a partir do procedimento, que pode causar hemorragia, choque e futuras complicações no parto.
Uma unidade de acusação contra a mutilação genital foi criada e está atualmente investigando 50 casos. Na imagem, meninas Pokot sentam e esperam por sua cerimônia de circuncisão. Na pior das hipóteses, o rito envolve cortar o clitóris e exterior da genitália.
Mulheres Pokot preparam grandes pedras onde as meninas se sentarão para se submeterem ao seu rito de circuncisão.
As meninas são incitadas a deixarem a sua cabana e fazer o caminho correndo... 
...Para um lugar onde elas vão tirar a roupa e se lavarem durante a cerimônia.
Anciãs da aldeia empurram uma menina para fora de uma cabana para levá-la ao lugar onde sua circuncisão será realizada.
Uma menina Pokot sangra em uma rocha após a circuncisão em um ritual tribal. Além da dor excruciante, o ato pode causar hemorragia, choque e futuras complicações no parto.
Após o procedimento, uma menina Pokot é pintada com tinta branca para mostrar que ela foi submetida ao rito de passagem.
Uma mulher Pokot segura uma lâmina de barbear depois de realizar circuncisões em quatro meninas. Praticantes usam qualquer coisa cortante, de vidro quebrado à tesouras.
Uma mulher Pokot realiza uma circuncisão em uma menina da aldeia. Embora o governo tenha proibido, a prática é predominante nas comunidades rurais.
Mais de um quarto das meninas e mulheres no Quênia foram submetidas a mutilação genital, segundo dados da Organização das Nações Unidas.
As meninas Pokot, agachadas em rochas depois de serem despidas e lavadas durante o seu rito da circuncisão.
Uma mãe disse que a dor iria fazer a filha mais forte. "Ela pode mostrar ao resto da comunidade que ela pode suportar isso".


Uma mulher Pokot entra em transe depois de ingerir uma beberagem local e dança durante a cerimônia de circuncisão feminina.
Mulheres Pokot e crianças descansam em volta de uma fogueira durante as primeiras horas da manhã, enquanto elas esperam o início de uma cerimônia de circuncisão.

Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário