quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

A Perturbadora Tumba de Lilly E. Gray - A Vítima da Besta 666


No cemitério de Salt Lake City, no estado de Utah, EUA, se encontra uma das tumbas mais perturbadoras do mundo devido a sua lápide ter enchido de temor e curiosidade a todos os habitantes locais das redondezas. É inevitável não sentir um ligeiro calafrio ao ler a estranha inscrição na pedra fria, cinza e adornada com dois ramalhetes de flores em relevo nos lados...

"Lilly E. Gray 1881-1958. Vítima da besta 666."

Um enigma digno de Sherlock Holmes que desperta há muitos anos, as inquietudes investigativas de muitas pessoas. Tanto que existem numerosas páginas na Internet tentando resolver o mistério. Assim que compartilhamos com vocês, as principais pistas que dispomos sobre o tema.

A misteriosa tumba de Salt Lake City

Antes de mais nada, já sabemos que existem poucas pessoas que escolheriam um epitáfio com semelhante frase. A passagem para o além costuma ser selada com uma promessa de carinho e amor eterno dos entes queridos na lápide de quem partiu. Geralmente com uma frase de lembrança que resuma, por exemplo, como foi a vida do indivíduo.

Mas por que escolher precisamente essas linhas do Apocalipse?
Os habitantes locais tinham sua própria teoria: A tal Lilly devia ser uma acólita do diabo. 
Tal teoria, feita rumor, fez com que a tumba se tornasse um improvisado altar tanto para curiosos como para fanáticos que para lá peregrinam.

São muitas às vezes que os encarregados do cemitério encontram desde pequenos objetos que simbolizam um que outro rito macabro realizado durante à noite, até infinidades de latas de cerveja vazias deixadas por jovens que procuram a emoção e o proibido ao passar uma noite de divertimento.



Nada melhor que a objetividade para revelar o que há por trás das cortinas do mistério mas...

Que dados confiáveis contamos hoje em dia sobre nossa inquietante Lilly E. Gray?

Os registros locais estão ao alcance de qualquer um, apesar de quase não haver informação além do seu obituário, que afirma apenas que ela teria morrido de causas naturais. Mesmo assim, muitos "investigadores" locais anônimos conseguiram obter estas informações adicionais:

  • O nome de Lilly E. Gray não estava bem escrito na lápide. Há uma letra a mais. Era, simplesmente, "Lily".
  • A data de seu nascimento também não está correta. Lily nasceu um 4 de junho de 1880 e não em 6 de junho de 1881.
  • Lily tinha um marido, Elmer Lewis Gray. Morreu tempos depois que sua esposa e a sua tumba se encontrava muito afastada da sepultura dela.
Então, quem havia cometido semelhante erro? Foi talvez Elmer, seu esposo...
Sabe-se também que essa mulher teria falecido supostamente por causa de um acidente de trânsito, versão mais frequente em várias páginas na web. Com base nesses dados, muitos se detiveram então a analisar o simbolismo da tumba de Lily.

Nela vemos flores muito especiais: Prímulas (Especificamente Oenothera). Impressas em uma tumba costumam simbolizar o amor eterno, ao mesmo tempo que a tristeza. Mas se buscamos referências na antiguidade, a prímula era conhecida também como a "Lanterna do Diabo"... Um pouco perturbador sem dúvida.



Teoria mais aceita sobre a tumba de Lilly E. Gray

Cabe assinalar que hoje em dia, não há nada conclusivo sobre este mistério, ainda que exista uma teoria muito aceita pela maioria dos seguidores do fenômeno Lilly E. Gray...
O leitor já deve ter notado que algo não encaixa bem nesta história: por que a tumba do marido de Lily está tão afastada da de sua esposa? Não é algo habitual...

A maioria das investigações mais objetivas foram nessa direção, averiguando quem era na realidade o senhor Elmer Lewis Gray. 
Nosso misterioso cavalheiro dispunha de antecedentes criminais no estado de Utah, no entanto, são antecedentes um tanto curiosos. Elmer figura nos registros por ter roubado um guarda-chuva.

Elmer Gray sofreu uma experiência um tanto traumática, ao ter sua primeira esposa morta durante um sequestro e digitou uma linha em um formulário do estado de Utah, que dá uma relação direta com à lápide de Lily.
Na lacuna do documento que pede "Endereço dos pais", o Senhor Elmer Gray escreveu, "Ambos mortos. Morreram de tristeza quando sequestradores assassinaram minha esposa." Mais tarde, ele se refere aos oficiais de segurança como "funcionários democratas" e "sequestradores". 



Ao que parece, as forças de segurança não atuaram bem no caso do sequestro da sua primeira esposa e desde então o senhor Elmer virou uma pessoa muito crítica com o governo dos Estados Unidos.
Elmer sempre foi um homem complicado, de caráter duro e muito sarcástico. Nunca se cansou de culpar às instituições americanas por seus problemas e de suas preocupações (talvez com razão).
Sua ira voltou-se ainda mais afiada no momento em que sua esposa Lily mais precisou, mas não teria recebido toda a ajuda social que necessitava.

Elmer L. Gray foi quem mandou fazer a chamativa inscrição na tumba de Lily e teria sido um modo de criticar o governo americano da época, a legítima "besta" que havia levado a vida de sua esposa...
Embora tenha sido provavelmente através de um mero acidente de trânsito.

Fonte Fonte Fonte 

2 comentários: