quarta-feira, 1 de abril de 2015

A Nave Espacial que Poderia Salvar à Terra do Armagedom

Cientistas estão a poucos passos de desenvolver uma nave espacial com carga nuclear cujo objetivo seria interceptar e destruir asteroides que poderiam impactar contra nosso mundo com consequências apocalípticas.

No filme Armageddon (1998), cena acima, Bruce Willis deve viajar até um asteroide para destruí-lo com uma bomba e salvar à Terra de um destino fatal.

Chamado de Veículo Hiperveloz de Impacto contra Asteroides (HAIV por sua sigla em inglês), após o seu lançamento, seria capaz de alcançar um asteroide próximo em menos de 100 dias e destruí-lo antes que cruzasse a órbita de nosso planeta. Mas este engenho depende de um aspecto crucial: rastrear e encontrar o asteroide antes que seja tarde demais para detê-lo.

Diagrama que explica a forma em que a
nave detonaria um dispositivo nuclear
depois de impactar e criar uma
cratera no asteroide. 
O conceito foi criado pela ONG Emergency Asteroid Defence Project (EADS) com base na Dinamarca, e aponta ser a última alternativa para a humanidade quando todos os outros métodos para proteger à Terra falhem.

O custo da missão, que oscilaria entre meio milhão e mais de mil milhões de dólares, dependeria de quão grande seria o asteroide que precisa ser destruído.

Já localizada a ameaça, o HAIV seria lançado por meio de algum foguete como o Delta IV ou Atlas V, e, uma vez no espaço, se alinharia de tal maneira que sua trajetória se cruzaria com a do asteroide alvo. A parte da frente da nave atuaria como "líder", enquanto a carga com a ogiva nuclear (atrás) seria seu "seguidor".

Esta simulação mostra a área afetada 
se algo do tamanho do cometa 
Halley impactasse no centro dos 
Estados Unidos, um possível 
palco de extinção em massa.
O primeiro terá a função de se desprender no momento adequado para impactar e criar uma cratera considerável na superfície do asteroide para que depois, o segundo tenha uma área mais profunda onde detonar a carga nuclear.

Os fragmentos decorrentes bem poderiam ser desviados da Terra ou, devido ao seu tamanho mínimo já não representar uma ameaça.

"A missão para preparar à humanidade ante uma potencial colisão com um asteroide é algo que deveria ser levado em conta faz tempo", escreve a equipe em seu site.

"A tecnologia básica para fazê-lo tem estado presente por cerca de meio século". "Um evento como o de Cheliábinsk, em 2013, poderia ter sido evitado se as missões pertinentes de detecção e desvio tivessem estado prontas naquele momento", destacam como exemplo.

Problemas legais

Disparar um dispositivo nuclear no espaço não é tão simples como os engenheiros da EADS pensam, há um número importante de assuntos legais envolvidos. Mas a equipe sustenta que não há problemas de segurança ao lançar HAIV já que este se impactará no asteroide tão longe no espaço que "nenhuma radiação ou onda expansiva alcançaria a Terra".

"Com complicações legais ou sem elas, em caso que um grande asteroide se dirijir para Nova York, Moscou ou Pequim, devemos como equipe sermos capazes de ter o apoio global que nos permita atuar apesar dessas obstruções legais, é necessário se queremos salvar milhões de vidas!", agregam. Quanto à questão de se é ilegal enviar explosivos nucleares ao espaço, afirmam que "provavelmente não, contanto que não seja uma arma".

.
A equipe da EADS agora tem o objetivo de conseguir o financiamento milionário que requer o projeto mediante plataformas digitais de crowdfunding como Kickstarter. Para 2018, pretendem construir uma versão de HAIV que possa destruir um asteroide de 50 metros. Para o fim da década, buscam aumentar a escala para um asteroide de 300 metros e assim cobrir 99.9 por cento de objetos próximos à Terra.

Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário