segunda-feira, 27 de abril de 2015

L'Inconnue de la Seine - A Mulher Mais Beijada do Mundo


Dizem que o rosto da "Desconhecida do Sena" (L'Inconnue de la Seine), evoca sossego, familiaridade e um encanto quase enebriante. Ninguém conhece seu nome, nem mesmo sua história. Também não se pode afirmar que o relato associado a ela ao longo de tantos anos, seja realmente verdadeiro, o único que se sabe é que ela é a mulher mais beijada do mundo.

A beleza da jovem afogada no Sena

Pode parecer mórbido e escandaloso, mas dizem que nunca existiu cadáver mais belo que o dessa mulher. Esta história tem sua origem em algum momento impreciso de finais do século 19, quando surgiu no rio Sena, o corpo sem vida de uma moça. As autoridades não souberam o que fazer para averiguar a sua origem ou qual era o seu nome. Ninguém havia denunciado nenhum desaparecimento, não havia nenhuma testemunha do acontecido e só contavam com o silencioso corpo sem vida de uma garota de 15 ou 20 anos, que ninguém reivindicava.

Não tiveram outra ideia além de expor o cadáver durante alguns dias na funerária de Paris, esperando que alguém a reconhecesse, mas não foi assim. Não veio ninguém.  E ao longo de todas aquelas horas, o patólogo que cuidou do seu corpo não pôde evitar de ficar fascinado pela serenidade da expressão da jovem. Havia tanta calma e tanta beleza, que ele acabou pedindo para um escultor fazer uma máscara mortuária em gesso das feições da garota.


E então, surgiu a lenda. Ninguém reivindicou o corpo, de modo que acabou sendo enterrada em uma fossa comum, no entanto, restou seu rosto, sua beleza e seu enigma impresso naquela máscara... Chamaram-na de "A Máscara da Lisa afogada", porque compartilhava com a famosa obra de Da Vinci, Mona Lisa, um sorriso plácido e enigmático. Sem saber muito bem como, começaram a fazer cópias e mais cópias daquela máscara, daquele rosto, chegando a todos os recantos da França e posteriormente a toda a Europa.

Foi inspiração para livros, poemas e obras de arte. Vladimir Nabokov por exemplo, chegou a ficar obcecado por ela, de modo que em pouco tempo, a imagem acabou cruzando mais e mais fronteiras até ser esse rosto o que todo salão de moda ou casa distinta que se presasse, tivesse um pendurado na parede.


A história da misteriosa moça do Sena não iria além de uma simples moda, se não fosse por em meados do século 20, Peter Safar, pioneiro da medicina de emergências, pensar que para ensinar os seus alunos a técnica de RCP (reanimação cardiorrespiratória) iria precisar de um boneco para simular tal manobra vital. Para criar o boneco, teria confiado à tarefa a um famoso fabricante de brinquedos norueguês, Asmund Laerdal. Devia ser um manequim muito especial, pensou o artista e precisava ter uma imagem amável e feminina para que as práticas fossem mais agradáveis aos alunos.

Foi então quando lembrou daquele rosto pendurado na casa de seus avós. Aquele rosto tão sereno de mulher que tanto lhe chamava a atenção quando criança. Era a "Desconhecida do Sena", ela foi a inspiração para criar o famoso boneco com o qual, mais de 300 milhões de pessoas, foram treinadas desde então.



A nova efígie de plástico foi batizada de Resusci Annie, sendo como podem imaginar, a imagem de mulher mais beijada do mundo em treinamentos de respiração boca a boca.

Fonte Fonte

Um comentário: