terça-feira, 11 de agosto de 2015

A Teoria do Gravador de Pedra.

Imagem ilustrativa.
A teoria do "gravador de pedra" (Stone Tape Theory no original - NDT. rusmea.com) é a especulação de que fantasmas e assombrações são análogas à gravações, e que impressões mentais elétricas liberadas durante eventos emocionais ou traumáticos, pode de alguma forma ser "armazenadas" em rochas úmidas e outros itens e "reproduzidas" sob certas condições.

A ideia foi proposta pela primeira vez pelo arqueólogo britânico que posteriormente se tornou parapsicólogo, Thomas Charles Lethbridge em 1961. Lethbridge acreditava que os fantasmas não eram espíritos dos mortos, mas simplesmente gravações não-interativas semelhantes a um filme.

No livro "How to Think About Weird Things: Critical Thinking for a New Age" ("Como pensar a respeito de coisas estranhas: Pensamento Crítico para uma Nova Era"), os autores Theodore Schick e Lewis Vaughn descartaram a ideia por ser uma alegação totalmente irracional, afirmando que o "O problema é que não sabemos de nenhum mecanismo que poderia gravar essas informações em um pedra ou reproduzi-las. Pedaços de rochas simplesmente não têm as mesmas propriedades que rolos de fita. "

Richard Wiseman também escreveu que não existem provas científicas para a teoria do "gravador de pedra fantasma". De acordo com Wiseman a ideia é "completamente implausível - tanto quanto sabemos, não existe nenhuma maneira da informação sobre os eventos passados, poder ser armazenada na estrutura de um edifício."

25 de agosto de 2015
Tradução/Adaptação: rusmea.com - Manter créditos e fonte.

Fonte

Um comentário: