terça-feira, 9 de maio de 2017

GEORGES MÉLIÈS - OS MELHORES EFEITOS ESPECIAIS DO INÍCIO DO CINEMA


Em 1895 Georges Méliès era um ilusionista profissional e diretor do Teatro Robert-Houdin, quando assistiu à estréia dos primeiros filmes dos irmãos Lumière. Começava assim a história de um dos pioneiros do cinema mundial.

The Astronomers Dream (1898)
.
Le voyage de Gulliver à Lilliput et chez les Géants (1902)
.
The India Rubber Head 1901
.
Les 400 farces du Diable (1906)
.
The Haunted Castle 1896
.
Le cake-walk infernal 1903
.
Le Royaume des Fées 1906
.
Le Diable Noir (1905)
.
Le papillon fantastique (1909)
.
The Infernal Cauldron (1903)
.
Apparitions (1903)
.
Le Voyage dans la lune
.
No final do século 19, Georges Méliès adquiriu uma câmera cinematográfica, construiu um estúdio nos arredores de Paris e se concentrou na produção e direção de filmes.

Entre 1899 e 1912 realizou aproximadamente quatrocentos filmes, também gravou eventos ou notícias reais e mensagens publicitárias.

Inventor de numerosos truques e técnicas cinematográficas, Méliès se retirou em 1913, ante a impossibilidade de competir comercialmente com as grandes produtoras que haviam nascido poucos anos antes. Méliès então, desapareceu da vida pública.

Georges Méliès
Em meados da década de 1920, ele estava levando uma vida pobre como vendedor de doces e brinquedos na estação de Montparnasse, em Paris, com a ajuda de fundos coletados por outros cineastas.

No final da década de 1920, vários jornalistas começaram a pesquisar Méliès e o trabalho de sua vida, criando um novo interesse nele. À medida que seu prestígio novamente crescia no mundo do cinema, ele recebeu mais reconhecimento e em dezembro de 1929, uma retrospectiva de gala de seu trabalho foi realizada na Salle Pleyel.

Mesmo com este súbito reconhecimento, Méliès continuava pobre e assim viveu até o final dos seus dias.

Em 1937, Méliès ficou muito doente e foi internado no Hospital Léopold Bellan em Paris. Dois amigos o visitaram pouco antes de sua morte e quando chegaram, Méliès mostrou a eles um de seus últimos desenhos de uma garrafa de champanhe com a rolha estalada e borbulhando.

Ele então disse: "Riam, meus amigos, riam comigo, riam por mim, porque eu sonho os seus sonhos."

Georges Méliès morreu de câncer em 21 de janeiro de 1938 aos 76 anos, poucas horas depois da morte de Émile Cohl, outro grande pioneiro do cinema francês e foi enterrado no Cemitério Père Lachaise.

O livro A Invenção de Hugo Cabret, de Brian Selznick, e sua adaptação cinematográfica, são inspirados na história da vida de Méliès.

Fonte Fonte

2 comentários:

  1. o final do "Les 400 farces du Diable" é tenebroso

    ResponderExcluir
  2. no final do "Le Voyage dans la lune" tem um easter egg sobre o "The Astronomers Dream"

    ResponderExcluir